Cama Compartilhada Sem Culpa Nenhuma !!!

em 04 dezembro, 2015

Hoje quero falar de um assunto que de certa forma ainda é tabu. É a cama compartilhada. Começo falando que meu filho tem  quatro anos e ainda dorme coladinho comigo. A caminha dele fica ao lado da minha cama. Mas quer saber, nem sempre foi assim. Logo após o nascimento dele, passado o primeiro mês, comecei a minha saga de tentar colocá-lo no quarto dele. E foi fracasso atrás de fracasso. Noites de muito choro, e um vai e vem pra lá e prá cá entre o meu quarto e o dele. E o que é pior, uma cobrança interna de que eu tinha que sacrificar meu filho para atender as "regras", não sei de quem, nem com que objetivo.

Como eram nossas noites 

Quando comecei tentar a colocar meu filho no quarto dele, ele devia ter aproximadamente 2 a 3 meses. Então a noite eu o amamentava, ele adormecia e eu colocava ele no quarto dele. Confesso que esse procedimento não durou nada,desisti logo nos primeiros dias. Pois como ele acordava de madrugada para mamar, eu ficava preocupada com medo dele acordar e eu não ouvir, ou engasgar, ou do frio e várias outras coisas que passam pela nossa cabeça.
Foi então que resolvi, deixar o bercinho dele ao lado da minha cama. Pois a qualquer movimento eu estaria ali de prontidão para atendê-lo. Foi a melhor coisa que fiz, ele passou a dormir melhor, e passou a dormir melhor ainda quando na fase de cólica eu tirei a grade do berço, juntei as camas e percebi que quanto mais a gente mantinha um contato físico mais calminho ele ficava e dormia.

Mas e a culpa, onde entra ?

Agora cheguei ao ponto que quero enfatizar. Durante muito tempo, aproximadamente 1 ano, me sentia uma mãe idiota, quando falava para as pessoas que eu dormia com meu filho pois ele não conseguia dormir sozinho. Vinha acusação de tudo que era lado. Ouvia , coisas do tipo: "Você nunca mais vai ter privacidade, seu marido logo vai precisar de outra mulher, você está fazendo mal para o seu filho, seu filho tem que ser independente, entre outras mil frases prontas que nem vale a pena lembrar.
Logo no início percebi que ele dormia melhor se ficasse comigo, mas eu carregava isso como um fardo. Falava pra Deus e o mundo que dormia com meu filho e ainda tentava justificar para a sociedade o porque eu cometia esse crime. Dizendo, eu sei de todo mal que estou fazendo, mas meu filho dorme melhor. Cheguei a me queixar várias vezes com pediatras e o que eu ouvia era sempre a mesma coisa "Tá errado mãe". Comprei livros que ensinam a "adestrar" os bebês. Acredite ou não, ainda convivi com essa culpa de estar fazendo algo errado por muito tempo.

Como me livrei dessa culpa

Na tentativa de me livrar da culpa, comecei a pesquisar sobre o assunto. E durante essa pesquisa,descobri várias coisas, que inclusive até 200 anos atrás, as mães ainda dormiam com seus filhos. Ou seja,mas uma vez a modernidade e a mecanização da maternidade se fez presente na vida das mulheres ocidentais. E as mulheres devem aceitar essa mecanização mesmo que seus instintos maternos falem mais alto. Foi nesse ponto que pensei o quanto eu fui manipulada pelo sistema. Que mal tem meu filho dormir comigo se para ele faz tão bem ? E no fundo eu também sempre fiquei mais tranquila com ele perto. Onde está escrito que recém nascidos devem criar independência ??? De que forma ??? Chorando no berço até o umbigo pular para fora ? Simplesmente refletindo nessas questões que cheguei na conclusão que quem decide o que é melhor para meu filho,sou eu e meu marido. Atualmente como falei, ainda dormimos no mesmo quarto de camas coladinhas.Quanto tempo isso vai durar ? O tempo que for necessário para meu filho entender que ele pode ir para o quarto dele, sem traumas, sem gritos, sem se sentir abandonado,sem pressa. Tudo de forma natural.


E como é com você ? Me conte !!!

bjbjbjbjbj Até mais !!!



 

Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Facebook
Comente com sua conta Google+

2 comentários :

  1. Acredito que essas dicas adestradores de bebês criam jovens com uma série de traumas. Ensinam a dar amor sob medida, mas nunca vi ninguém ficar doente ou problemático só por receber amor. Uma coisa é impor limites, outra é impor proibições.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Hanna, a cobrança de regras vem da própria sociedade. Mas hoje com dois filhos, não ligo mais para que os outros pensam. Em quanto eles precisarem de mim , estarei com eles, seja para dormir ou qualquer outra coisa. Quanto mais amor melhor !!! Um grande beijo para você !!!

      Excluir

No @Instagram

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Brasil.
Topo