Minha Homenagem Para as Mulheres em Forma de Luta Contra o "Crime Obstétrico"

em 08 março, 2015

Hoje quero deixar registrado minha revolta e tristeza com relação aos partos no nosso pais. Principalmente os partos "normais" realizado na rede pública. Não sou aquelas super defensoras de parto humanizado, daquelas que não deixam os médicos nem pingar o nitrato de prata nos olhos, mas também não acho errado a mãe que prefere que o parto seja desse jeito. Minha luta é contra descaso, desrespeito, negligência, violência e tantas coisas que ainda no século XXI ouvimos falar.É revoltante, mas aqui na minha cidade por exemplo, começaram a liberar a entrada do acompanhante no parto, tem aproximadamente um ano. Gente isso é um absurdo !!! A lei é federal e é de 2005 !!! Não acho que parto deve ser cesárea ou normal, acho que toda mulher deveria ter o direito de escolha. Aí vem aquela velha frase pronta dos médicos : "Ah , mas uma cirurgia envolve muitos riscos , vamos tentar normal" (isso para as que dependem do serviço público). Bom nessa de tentar o "normal" que para mim não tem nada de normal nisso , já vou explicar o porque, é que começa o sofrimento da mulher.

Parto Anormal

A partir do momento que a mulher entra em trabalho de parto, que pode durar de 8 a 12 horas e em alguns casos até 24 horas, ela precisa receber todo apoio emocional e profissional. Emocional que seria do acompanhante e profissional que seria a equipe.Mas infelizmente, ainda ouvimos histórias absurdas de mulheres que viveram os piores dias de suas vidas, nas mãos de profissionais mau treinados ou contaminados com uma política podre, que parto no serviço público é assim mesmo. O momento que deveria ser especial se torna um terror real. Os três procedimentos clássicos (na maioria das vezes desnecessários) continuam fazendo parte do trabalho podre da maioria dos médicos no Brasil. São eles : ocitocina (para acelerar o processo), episiotomia (para acelerar mais ainda o processo), sendo que no trabalho de parto, existe um período de expulsão, o qual os médicos não tem paciência de esperar e tudo isso regado a muita , muita, muita dor, pois o SUS não dá epidural no parto normal. Mamães isso é mentira !!! Se você vai fazer parto normal e prefere amenizar a dor, o SUS não pode negar. A negação caracteriza crime, uma vez que a mãe pede porque não está aguentando mais o médico deve atender o seu pedido. Mas no Brasil a desculpa é a seguinte : " Atrapalha o trabalho de parto" , mas espera aí , a ocitocina e a episiotomia ajuda ??? ajuda quem ??? o médico né !!! O que me entristece ainda mais é que existem muitas , mas muitas mulheres mesmo , que por desconhecer o processo fisiológico do parto, aceitam tudo isso achando que é normal. E são obrigadas a conviver com o trauma emocional e muitas vezes físico de ter tido um parto anormal e o que piora mais ainda a situação, ter complicações nesses partos e a criança que até então estava saudável, passa a ter problemas e em alguns casos irreversíveis, que poderiam ser evitados se os profissionais usassem um pouco mais de bom senso e profissionalismo na hora de avaliar cada paciente e não promover esses partos, utilizando modelos industriais de produção.






É mais sério do que se possa imaginar

Se você procurar na internet vai encontrar facilmente relatado esse tipo de parto. Já vi mulher que foi cortada dos dois lados da vagina, absurdo !!! Recentemente  conheci uma moça que teve gêmeos de parto normal, ops quer dizer anormal, o primeiro saiu, mas o segundo, acabou saindo pelos pés. Gente o médico não fez uma ultra nessa mulher ??? Nesses casos não seria mais seguro fazer uma cesárea ? E por aí vai...

Para concluir 

Não quero com esse post dizer que o Brasil todo pratica crime obstétrico, existem grandes profissionais envolvidos nessa causa para beneficiar as mulheres e também vários hospitais que já trabalham com parto humanizado e alcançam satisfação quase que de 100% das usuárias. Eles merecem todo o nosso respeito. Também não quero aqui dizer que parto normal é melhor do que cesárea, ou vice versa, acho que parto tem que ser bom para a mãe e bebê. Cabe a mãe se informar para se proteger e proteger o seu filho. Se possível conheça os plantonistas que trabalham no hospital que você pretende dar a luz, faça um plano de parto por escrito, em várias vias, registre em cartório e protocole no hospital. Caso nada resolva então procure os órgãos responsáveis.

Conheça as leis/informações e proteja-se 

Lei 11.108 - Garante o acompanhante da gestante.


Conheça os canais para denúncia 

Disque SUS 136 

Procure a Defensoria Pública de seu estado.

Ouvidoria da ANS (para denunciar instituições privadas) - 08007019656

Procure a Secretaria Municipal de Saúde da sua cidade.

Se você sofreu, denuncie, procure um advogado, não podemos ficar caladas !!! 





Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Facebook
Comente com sua conta Google+

0 comentários :

Postar um comentário

No @Instagram

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 3.0 Brasil.
Topo